Viva Ozônio

A dor é o impedimento para uma vida realmente feliz. Comece a sorrir nas primeiras sessões e sinta a melhoria de vida.

O que você realmente sabe sobre o Ozônio?

Bactericida, virucida e fungicida.

Entre os efeitos biológicos do ozônio, o primeiro lugar é tradicionalmente ocupado pelo efeito bactericida, virucida e fungicida. Esta ação direta do ozônio se manifesta de forma geral quando aplicada por uma via externa, seguindo as diferentes modalidades terapêuticas, principalmente em altas concentrações. Ao contrário de muitos anti-sépticos conhecidos, o ozônio não irrita ou destrói os tecidos protetores das pessoas, pois, ao contrário dos microrganismos, o organismo multicelular do ser humano possui um poderoso sistema de defesa antioxidante.

Anti-inflamatório

O efeito anti-inflamatório do ozônio baseia-se na sua capacidade de oxidar compostos que contêm ligações duplas, incluindo ácido araquidônico (20: 4) e prostaglandinas, substâncias biologicamente ativas que são sintetizadas a partir deste ácido e que participam de grandes concentrações em o desenvolvimento e manutenção do processo inflamatório (Wong, Gómez, citado por Viebahn-Haensler, 1999). Em pacientes com asma brônquica, o efeito da terapia com ozônio pode ser parcialmente explicado por suas reações com outros produtos de ácido araquidônico, leucotrienos. Precisamente
leucotrienos, que são formados em leucócitos do ácido araquidônico e são particularmente compostos patológicos, causam o início de reações alérgicas lentas, como o início da asma brônquica. Além disso, o ozônio diminui o grau de hipoxia tecidual e restaura os processos metabólicos no ponto de inflamação dos tecidos afetados, corrige o pH e o equilíbrio eletrolítico.

Regulação imune

O efeito da regulação imunológica pelo ozônio foi demonstrado de forma convincente pela primeira vez nos estudos da ação desse elemento no sistema imunológico com a ajuda da análise imunoenzimática de pesquisadores ocidentais Winkler (1989) e Bocci (1997) e confirmado nas investigações do Instituto de Imunologia do Ministério da Saúde da Federação Russa (Moscou). Demonstrou-se que, na administração parenteral, o ozônio, sem dúvida, exerce um efeito regulador sobre a mudança na composição dos indicadores de imunidade celular: diminui os níveis aumentados e, inversamente, aumenta os níveis diminuídos dos linfócitos T.Longos anos de estudos sobre a influência do ozônio no estado imune demonstraram a sua propriedade de induzir a síntese de citocinas, cada uma das quais tem uma certa função defensiva. A maioria dos pesquisadores aponta que os efeitos do ozônio no sistema imunológico dependem da dose. As concentrações terapêuticas de ozônio permitem o acúmulo nas membranas de células fagocíticas, monócitos e macrófagos, e de compostos hidrófilos, os ozonidos, que estimulam a síntese de diferentes classes de citoquinas nessas células.

Ação na síntese de mediadores hormonais

Durante o tratamento com saunas de ozônio, foram registradas mudanças hormonais temporárias, particularmente do hormônio do crescimento (somatotropina) e da beta-erisina fina. Além disso, foi proposto que os tratamentos repetidos com saunas de ozônio seriam úteis para baixar a pressão arterial em pacientes hipertensos, pois reage o sistema reninaangiotensina-aldosterona. Essas mudanças hormonais que ocorrem durante a terapia com ozônio são breves e reversíveis. Em alguns casos, observou-se clinicamente que o ozônio potencializa o efeito da hipertermia; Acredita-se que tanto a hipertermia como a terapia com ozônio exercem seu efeito ao libertar uma cascata hormonal: CRH, ACTH, cortisol, DHEA, hormônio do crescimento e outros. No entanto, o papel do ozônio ainda não foi estudado profundamente no sistema neuroendócrino e a importância da terapia com ozônio para modificar os perfis hormonais é desconhecida (Bocci, 2005). Algumas observações clínicas (não publicadas) do Dr. Lambert Re mostraram que, após o tratamento com auto-hemoterapia, há uma regulação e estabilização do ciclo menstrual, observação que deve ser acompanhada por um estudo do perfil hormonal para corroborar se a terapia afeta ou não decisivo na cascata de regulação hormonal.

 Analgésico

Em muitos estados patológicos e, principalmente, em processos inflamatórios (reumatismo, artrite), o efeito analgésico do ozônio é claramente manifestado. Este efeito tem um caractere duplo. Por um lado, é motivado pela entrada progressiva de oxigênio na zona inflamada e a oxidação dos mediadores algogênicos, que se formam na área do tecido danificado e participam da transmissão do sinal nociceptivo para o SNC (Riva Sanseverino, 1987). Tudo isso explica a eliminação pelo ozônio da dor aguda que existe nos processos inflamatórios traumáticos. Na resolução de síndromes crônicas de doenças, um papel importante é atribuído à restauração do equilíbrio entre os produtos da peroxidação e os valores antioxidantes dos sistemas de defesa. Como resultado, diminui a quantidade de produtos moleculares tóxicos de peroxidação lipídica (MDA e BS) nas membranas celulares, que são aqueles que variam
as funções das enzimas presentes nas membranas, participantes na síntese de ATP, que mantêm a atividade vital dos tecidos e órgãos, algo que é observado em muitas doenças crônicas acompanhadas de dor. Além disso, a ativação de mediadores antinociceptivos do
sistema não deve ser descartada (Kostov, 2000).

Efeito destoxificante

O efeito desintoxicante é claramente observado e manifestado através da otimização do sistema microscópico de hepatócitos e pelo fortalecimento da filtração hepática. O ozônio também altera o metabolismo dos hepatócitos. Durante o tratamento, observou-se que nas células do fígado acumulam-se enzimas do citocromo P450 e sistema catalase, o que aumenta o número de moléculas de glicogênio e os antioxidantes mais importantes. O que, por sua vez, aumenta a produção de ATP perplasia por peróxidos, normalização dos elementos da estrutura de retículo endoplasmático liso e diminui o grau de alterações distróficas: na reorganização das alterações do metabolismo morfofuncionais de hepatócitos também são baseados. Graças à ação recíproca desses mecanismos, muitas funções hepáticas, incluindo antitóxicas, melhoram (Peretiagin, 1991, Boiarinov, 1999). Nos rins, o ozônio intensifica os processos de utilização de glicose, glicose-6-fosfato, lactato e piruvato, mantendo uma atividade elevada da gluconeogênese (Zelenov, 1998). Observou-se uma conservação da ATP e o aumento da resistência das membranas das células renais. Após um tratamento de terapia de ozônio, muitos pesquisadores observaram uma diminuição nos valores de moléculas de massa média, que caracterizam a toxicidade no organismo em diferentes estados de gravidade. O efeito anti-inflamatório do ozônio baseia-se na sua capacidade de oxidar compostos que contêm ligações duplas, incluindo ácido araquidônico (20: 4) e prostaglandinas, substâncias biologicamente ativas que são sintetizadas a partir deste ácido e que participam de grandes concentrações em o desenvolvimento e manutenção do processo inflamatório (Wong, Gómez, citado por Viebahn-Haensler, 1999). Em pacientes com asma brônquica, o efeito da terapia com ozônio pode ser parcialmente explicado por suas reações com outros produtos de ácido araquidônico, leucotrienos. Precisamente leucotrienos, que são formados em leucócitos do ácido araquidônico e são particularmente compostos patológicos, causam o início de reações alérgicas lentas, como o início da asma brônquica. Além disso, o ozônio diminui o grau de hipoxia tecidual e restaura os processos metabólicos no ponto de inflamação dos tecidos afetados, corrige o pH e o equilíbrio eletrolítico.

Regulador Metabólico

Em um estudo realizado em pacientes diabéticos tipo 2 com pé diabético neuroinfeccioso, dos quais um grupo foi tratado com ozônio por via local e local (na lesão), e outro grupo foi tratado com antibióticos (sistêmico e local) alta glicemia foi detectada no início do estudo. No entanto, após o término de ambos os tratamentos, a
glicemia diminuiu significativamente para os valores de referência no grupo tratado com ozônio, mas não no tratamento com antibióticos (Martínez-Sánchez et al., 2005a).
Em um grupo de crianças com deficiência auditiva, os hormônios T3
(triiodtotironina) e T4 (tiroxina) e cortisol foram determinados no início e no final de um tratamento constituído por 20 aplicações de ozônio retal (concentração de 40 μg). / ml e volumes de gás entre 50 ml e 150 ml) uma vez por dia. No início do tratamento, os pacientes apresentaram altos valores de T3 e T4, acima dos valores de referência, que foram normalizados no final do tratamento. As concentrações de cortisol estavam dentro do intervalo de referência no início do tratamento e permaneceram em termo (Menéndez et
al., 2008). Em um estudo sobre o metabolismo lipídico realizado com ratos alimentados com uma dieta rica em gordura (durante 25 dias) e depois tratados com 15 injeções intramusculares de 0,2 ml de sangue ozonizado (com uma concentração de ozônio de 10 μg / ml) uma mudança significativa no conteúdo de lipídios do fígado foi demonstrada, caracterizada por uma diminuição do colesterol total no grupo alimentado com uma dieta gordurosa e tratada com ozônio, em comparação com o grupo que recebeu apenas uma dieta gorda.

Entre em contato

Use o formulário abaixo e tire sua dúvida. Para emergências use o telefone abaixo.

2 + 6 =

Quadra 206, Lote 05 - Águas Claras, Brasília - DF.

contato@vivaozonio.com.br

(61) 982647182

(61) 8264-7182

Viva Ozônio

Nosso objetivo é realizar um sonho, uma vida sem dores e a verdadeira felicidade. Nossa missão é causar somente o bem e remover o mal do corpo humano.  Usamos o Ozônio como meio para atingir nossos objetivos e cumprir nossa missão. Junte-se a nós!

Receba Novidades

© 2020 VivaOzônio. Todos os direitos reservados. Hosted by www.ANDHost.com.br